passa tempo   
      


Eu devia ter observado melhor a luz vermelha.
Devia estar preparado com reflexos.
Passou curva, passou tudo.

Eu, descalço no paralelepípedo.
Você, despreocupada em seu serviço.

Eu não devia ter perdido tanto tempo.
Não devia apenas olhar os ponteiros do relógio.
Passa hora, passa tudo.

Eu, tarde de sábado e de vento.
Você, trata de sol e de talento.

Ninguém pede para rever o azul do céu.
Ninguém liga para um mau-contato, para a clarabóia.
Vou continuar limpando a janela,
para o Sol esquentar seu sono.

Eu imaginava te encontrar noutra cidade.
Imaginava uma viagem positiva.
Passam quilômetros, passam todos.

Eu, apaixonado pelos seus óculos.
Você, nem imaginando tal paixão.

Você, em suas tonalidades clássicas.
Eu, esquecendo o seu rosto.

E passa tudo. Inclusive o tempo.

SP 27/11/99
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]