por favor, não morra   
      

não morra
por favor
não morra

o quanto a gente ainda tem que andar
pelas calçadas, pelas cidades pequenas

não morra
por favor
não morra

são tantos filhos, tantos mundos
por viver, por fazer, por inventar

não morra
por favor
não morra

o tempo das batalhas para enfrentar
acreditar, enfim, acreditar

não morra

não escrevemos o dossiê
não elegemos um presidente
não vencemos todos os jogos

por favor

eu ainda não ouvi todas as notas
eu ainda não fui fotografia
a estrada califórnia e você, quem mais diria?

não morra

pelo amor que existe neste momento, não morra.

SP 26/11/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]