fim de maré   
      

o barulhinho da chuva na manhã do sábado frio
o suspiro de um sonho na manhã do sábado frio

ser apenas uma pequena embarcação
velas içadas
indo assim, boiando, boiando

na saída da baía
afundar-se em imensidão

dois corpos azuis, gêmeas lascas

e agora? enfrentar o gigante oceano?
cadê aquela coragem capitânea?

é medo de magnitude poética? ou da singeleza das ondas?

o barquinho só diminui

perde-se

no barulhinho do sonho
no suspiro da chuva

doce manhã
domingou

SP 24/09/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]