bobagem   
      

pode parecer bobagem,
mas eu sinto falta.
pode estar tão perto,
um só discar de números,
mas eu sinto falta.
falta do momento de mandar uma letra desconexa
um poema perdido, uma resenha esquecida.
discutir nosso teor de alcolismo.
falar das paixões e daquelas aflições medonhas.
mesmo tão perto, é só chamar, eu sei.

mas lá, quilômetros de memória, você estava.
pra comentar cada música,
cada montanha, cada pedra, cada sonho.
estava lá para ver os diamantes e os santos manetas.
pra imaginar o medo da estrada escura.
pra fotografar as vacas e seus maridos.
estava lá.
estava.

pode parecer bobagem,
mas eu sinto falta.
siglas inteligíveis,
xingamentos perdidos,
poesia maluca.

a menina e as facas
a sua princesinha doente - como ela está?
a cana, a goma
e as batatas.

sim, pode parecer bobagem.
mas eu estarei pronto para as sete respirações.
era isso? se não for, sem preocupação.

SP 22/08/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]