assassinato   
      

Mate-me.

Corte minhas asas.
Me empurre.

Queime emoções. Todas.

Mate-me.

Pise no meu pé.
Me ataque.

Destrua sentimentos. Nada.

Mate-me.

Arranque meu membro.
Me cape.

Imobilize pensar. Todo.

Mate-me.

Quebre meu nariz.
Me violente.

Estanque desejos. Me canonize.

Mate-me.

Fure meus olhos.
Me ame.

Sufoque paixão. Me ironize.

E assim estou morto no chão.
Assim, morto.

SP 22/05/01
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]