ludita   
      

para brincar
pedra tesoura papel
deitar, rolar, onde for

te benzer no chão com cachaça
abrir segredos, tua fechadura
na cama, boca, quem precisa da televisão

grito no poço,
teu nome
ousadias pérpetuas
no buraco do mundo

você chega
me toca,
me provoca,
me cozinha, tortura.

e eu?

sou só um pobre homem refogado
barba por fazer hoje, e muito, muito fogo na razão.

SP 20/09/01
Jean Boëchat





| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]