palmas   
      


palmas

para os que amam sem medo
para os que não elocubram inutilidades
para os que respondem aos anseios.

para a platéia que assiste ardente ao suicídio.
para o suicida e sua morte mais que anunciada.

palmas

para a mulher e todo o sangue recolhido
para a mulher e toda a letra machucada
para as lágrimas, que caíram sem cessar.

para a assistência sibilante e sua chaga alucinada
para o espetáculo funesto.

palmas

para os poetas que não choram
para os doentes que não morrem
para os profetas que não erram.

para a tristeza acontecida
para o fim, da estranha, a vida.

palmas

SP 20/02/01
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]