vulgare desidiu   
      

eu
quero te fazer gozar
em poesia

quero te fazer molhar
toda palavra

quero te fazer suar
um pranto alegre

pra poder brilhar em luz
um sentimento

eu
quero assim, te arranhar
pelas entranhas

quero assim, recuperar
paixão perdida

quero assim, te deflorar
todas certezas

de um mundo tão moderno
onde o amor não pode ser
apenas sincero?

eu
quero te fazer gritar
por toda graça

quero te fazer tremer
pleno deleite

quero te fazer prender
respirações

pra poder explodir em gás
uma centelha

eu
quero assim, te apanhar
pelas verdades

quero assim, te apresentar
boas lembranças

quero assim, te conquistar
todas pessoas

de uma alma tão bonita
onde o amor não pode ser
completo

SP 17/10/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]