três esquinas   
      


Jorge saiu a caminhar.
Calçando as alpercatas, levantou-se decidido.
Fechou o velho portão de madeira pintado de azul.
E lá se vai Jorge a caminhar.

Jorge saiu a caminhar.
Pegou pela rua, seguindo a guia direita.
Não se incomodou com os cachorros nas grades,
ferozes a latir.
E lá se foi Jorge caminhando.

Olha o Jorge a caminhar!

Jorge saiu caminhando.
Virou três esquinas, parou no sinal.
Cumprimentou a menina do cabelo vermelho,
sorriu para a senhora com o beagle.
E lá se foi Jorge, caminhando.

Jorge saiu caminhando.
Um destino incerto, uma vida fugaz.
Passos perfeitos, diretos, a seguir.
Pensou bem antes de sair,
e lá se foi Jorge, caminhando.

Olha o Jorge caminhando!

E Jorge parou.
Comprou três pãezinhos
e adiou sua fuga.
E lá vai Jorge, de volta pra casa.

"- Salve, Seu Jorge, boa noite", disse eu.

SP 17/01/01
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]