ei, você viu a poesia?   
      

A menina procura poesia.

Já encontrou a poesia?

Abriu as matas,
atravessou fronteiras,
desbravou meus links,
imaginou besteiras.

Parou e olhou o mar, fez-se em silêncio.

Encontrou?
Não. Era só brisa. Maresia.

Correu, correu, correu.
Achou que a viu entrando num circular.

Perguntou ofegante para a velha senhora sentada:

"- Foi a poesia que passou ali?"
De resposta, só o olhar perdido da pianista.

A menina procura a poesia.

Não a viu neném.
Teve-a toda em criancinha.
Escorregou da mão quando moça.
Não a vê do lado, mulher.

Fecha os olhos,
deixa o sol bater no rosto das 15 horas.
E assim, quem sabe, como um cão enrolado no chão, a encontre em sonho.

Sonho do coração. Carinho de minha mão

Qualquer coisa, me escreva.


SP 16/08/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]