velho : o mar   
      

velho mar
deriva

sem mapa
sem norte

só lua

calmaria
sem intensa arrebentação

não é preciso

navegar



não é preciso

ser

noite sem vento
noite sem morte

só lua

duas garrafas
uma: só poesia
uma: só flor

viagem de horizonte
mãos dadas
beijos quentes

corrente de primavera
clara, boiar

ondas no mar
delira

sem nada
sem sorte

só terra vista. capitã.

SP 15/10/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]