12th   
      

passo e peço
em tonta pressa
palmas paz paciência.

o amor não existe.
só tolices.

pego, grito
entorno à beça
calma cais intolerância.

o amor não existe.
é disparate.

pasmo, quieto
tanta fresta
em almas, mas, incongruências.

o amor não existe.
muito desatino.

vago, espero
em cada festa
corpos beijos indecências.

o amor não existe.
só doidices.

cago, esqueço
em tanta bosta
porcos, portas, adolescências.

não existe.
só prismas, preguiças e fofuras.

SP 15/05/01
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]