súplica   
      

ele se pôs em pê no meio de uma rua
no meio de uma vida

chuva de cacos cortando a pele
de seu sangue, as lascas
de seu olho, a lágrima congela

em pé no meio de uma vida
olha pro céu
pede, implora, clama

seu nome: chama

tarde cinza
como eu queria ver-te nua
tocar-te

em pé no meio de um quarto
olha pra mim
pede, implora, gama

chuva escorre
fria, gélida, coagulante em extremidades
de seu peito, o coração pára.

em pé no meio de um nada.
cai.

SP 13/12/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]