ave de prata   
      

uma ave de prata
levou meu coração

eu ali, na montanha, acorrentado
peito aberto, estraçalhado

uma ave de prata
levou meu coração

eu ali, na cidade, arrebentado
peito em chamas, estrupiado

uma ave de prata
levou

eu
peito

um silêncio calmo, sereno
como ondas do mar, sem repetição
vai e volta

eu espero

SP 08/10/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]