longitudinal   
      

ponho a lâmina fria
espelha meu rosto teso
encaro o vulto negro: a morte

trago a chama lisa
junto as ilusões e peso
devoro o sangue preso: ao corte

longitudinal de tudo



SP 08/04/02
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]