o poema de maria carolina   
      

Maria Carolina
nasce assim
assim menina.

Ah! Maria Carolina
é o tal mundo,
nesta nossa festa junina.

Foguetes,
sonhos,
verdades,
criança me ensina.

Assim, tu também,
Maria Carolina.

A Lua Cheia,
no alto,
inspira.

Teu nome Maria,
me empurra rimas.

Por mais simples que seja,
por mais linda que seja,
a Lua lá em cima,
no céu, e tu, vida.

Por mais difícil este mundo,
por mais revolto, mar aberto,
estrela Sol também é criança,
e teu coração, tão vivo, só esperança.

Venha sim, Maria Carolina.
Porque o ar precisa de ar.
E o mundo de mudança.

Venha sim, Maroca.
Porque simplesmente, venha assim.
Maria Carolina.

SP 11/06/01
Escrita originalmente no dia 07/06/2001, como homenagem à Maria Carolina,
afilhada do meu amigo Danilo, e que nasceu hoje, dia 11, às 7:38 da manhã.
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]