sentida   
      


sinta-se propícia
moça agraciada
dos olhos cansados do calor.

canto-te pré-gravado
a fala entorpecida
do poema travado de amor.

tal verso
impedido de tamanha timidez,
propaga-se nos pulmões
pronto para gritar.

tal qual beijo
enternecido de precisa lucidez,
divulga-se aos borbotões
pleno, suave, a gozar.

entrega-se pecadora
ao bojo embatumado
de quimeras em torpor.

queima-te feiticeira
na sanha incontrolada
do desejo inquisidor.

tal qual talho
embebecido de infinita embriaguez,
esfrega-se em concessões,
tenso, quente, a chorar.

SP 06/02/01
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]