eles elas   
      

Ele quer aprender a dançar.
Quer comer a menina do cabelo vermelho.
Os dois amam, é certo. Mas uma hora ela vai pra cima e ele vai baixo. Merecem um adeus.

Ele quer começar a pintar.
Quer escrever poemas no concreto da menina alta.
As mãos não mentem, é certo. Mas uma hora, na maravilhosa, ela se abre e ele, só letra.

Ela vai escorregar no gelo em NY.
Quer matar a saudade de você de qualquer jeito.
Fair play, é certo. Mas don't go breaking my heart, he still waiting sua volta.

Ela vai falir muitas vezes.
Quer apenas ser feliz.
Tudo ajuda, é certo. Mas felicidade é coisa séria, e, de repente, quase todo mundo merece.
Ela com certeza.

Ele quer começar a voar.
Quer deitar no colo no igarapé, e não se afogar.
É tão longe assim, é certo. Mas desejo de água, deixa água rolar.

Ele quer cantar tão bonito, impossível.
Quer elevar a alma tão alto, impassível.
Não tem chance, é certo. Mas quem não arrisca, não se fode.

Ela quer encontrar a metade.
Quer antes de tudo, aproveitar a luz do dia.
Pano aberto, sol nascendo, é certo. Mas quem se orienta é o rapaz. Se merecer.

Ela quer prazer total.
Quer os detalhes todos, e se você insistir com jeito, ela topa também.
Tudo em nome da ciência, é certo. Mas se rolar, estamos dentro. Walk this way.

Ele quer todas elas quer todos eles quer toda ela quer todo ele quer.
Desejam, aspiram, necessitam encarecidamente.
Não é vício, não é virtude. É apenas o gostinho da novidade.

SP 05/11/00
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]