cortinas fechadas   
      


Passar outubro de cortinas fechadas,
com tantas revoluções.

Chegar o novo novembro com tanto para dizer.
Tanto o quê?

Quem.

Você, se você pode virar,
nem tem a perder,
nem pode esperar,
não deixe queimar, não deixe ceder.

Um defeito, quase um pecado. Tremor.

O que será de tudo? Medo. Frio.

Eu estava certo?
Tente não mentir. Não confundir.

Você tem que, quem tem que...
nem me lembro mais.

SP 05/11/00
Jean Boëchat




| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]