campo aberto   
      

ela tinha um cheiro suave,
conhecido.
era uma coisa assim, meio café.

um sabor íntegro,
firme.
era uma coisa assim, meio café.

sexo com ela era a própria tradição.
podia ser na grande mesa da sala de jantar,
em cima dos tijolos de barro da cozinha,
no meio do pasto, por sobre a cerca do curral, no pó da história.
podia ser no feno, nos grãos, no lago e quem sabe, até na cama.

ela tinha um cheiro suave,
distinto.
era uma coisa assim, meio baunilha.

um sabor doce,
simples.
era uma coisa assim, meio baunilha.

amor com ela era a própria traição.
podia ser nas prateleiras,
na cristaleira, no vão das portas,
em cima do piano, por sobre a janela do quarto, no meio da estrada.
podia ser no vida, nos sonhos, na morte e quem sabe, até na cama.

eram irmãs.


SP 04/09/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]