estréia   
      

Me chamaram para a luz.
Pediram que me despisse.
Ou te despistasse?
Já não sei mais.

Venho então de peito aberto
costas cravadas
punhos cerrados
mas sem desconfiança.

Ouço tambores anunciando.
A luz é forte, mas meus santos também são.

Caminho para enfrentar
a dor de homem,
o amor da mulher,
a nudez do sentimento.

Me entrego a vocês
Pediram que eu me matasse,
para enfim, depois de três goles de você,
ressuscitasse.

Agora enfim, entro em cena.
A luz é forte, mas meus cantos também são.

Me apresento assim:
sou poeta, brincador de palavras,
para seus serviços, poesia nua.

SP 04/07/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]