cidade silêncio   
      

Te quis, silêncio.

Bendita, calma, serena.

Tinha poucas cores, tão sutis, mas sinceras.

Tinha as crianças. E eu não era de lá.

Te quis, silêncio.

Tinha a estrada de ferro, imponente.

Tinha os cachorros na rua.

Bendita, calma, serena.

Te quis, silêncio.

Tinha sentido.

Tinha os contadores de história.

Te quis, cidade.

Longe do inferno.

Longe de platônica.

Perto das letras.

Te quis, silêncio e o gosto de nada.
Como aquela cruz na estradinha de terra.


SP 03/09/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]