sacrilégio buarquiano nº 1   
      

quando olhaste bem nos olhos meus
não identifiquei o olhar
juro que não acreditei
virei as costas e saí a caminhar
vou

já conheço os passos dessa estrada
não tem erro, vou embora
já conheço as pedras do caminho
não tem volta, vou agora
fui

lá vou eu de novo como um tolo
não olho para trás, não sei de nada
versos, cartas, minha cara
palavras perdidas em melodia


eu trago o peito tão marcado
desenho curto, feito à bala
e você sabe a razão
dessa minha fuga acelerada
então

reclamei baixinho

não
me entregar a qualquer preço
isso não
sem carinho, sem coberta
não

hoje o samba saiu
quem jamais esquece não pode reconhecer.




SP 03/09/01
Jean Boëchat


| anterior | Índice | próxima |


©Mariana Newlands e Jean Boëchat [ Todos os direitos reservados ]